Como redigir um texto acadêmico de forma clara, objetiva e persuasiva

redacao-academic
redacao-academic

Compartilhe!

Como redigir um texto acadêmico de forma clara, objetiva e persuasiva

Como escrever um texto acadêmico de qualidade? A escrita é uma grande parte do mundo acadêmico. Professores e pesquisadores têm a oportunidade de escrever livros, artigos e outros documentos acadêmicos para se comunicar com o público. Assim, podem ensinar aos outros e explicar suas ideias, descobertas e realizações, transmitir ideias, contribuir para discussões científicas e mostrar suas habilidades técnicas.

Redigir bons textos acadêmicos é fundamental para quem deseja seguir carreira acadêmica.

Qualquer um que escreva um texto acadêmico tem os mesmos objetivos: transmitir ideias, contribuir com a discussão científica e mostrar a sua habilidade técnica. 

Um projeto de escrita, contudo, pode ser uma tarefa muito difícil. Um bom texto deve ser claro e correto, bem como objetivo e persuasivo. Você deve saber como estruturar seu trabalho para poder explicar claramente as ideias por trás dele, de uma forma organizada e coerente.

Se você está começando a escrever um texto acadêmico e tem dúvidas sobre como fazer isso bem, este post irá ajudá-lo. Você vai aprender como escrever um texto bem organizado, argumentativo e persuasivo. Espero que seja útil para apoiá-lo em sua jornada acadêmica!

Escrever é pensar

Quando você está falando com alguém ou ouvindo alguém, ou apenas “matutando” suas próprias ideias, está constantemente formando seus próprios pensamentos. É assim que nós pensamos.

Da mesma forma, quando você escreve um trabalho, você está pensando enquanto redigge o texto. Você está usando a linguagem para expressar o que você está pensando. Escrever é uma das melhores maneiras de compreender seus próprios pensamentos enquanto reflete sobre como transmiti-los aos outros.

Um texto acadêmico é geralmente uma peça escrita que se destina a explicar algum tipo de teoria ou conceito. Enquanto reflete sobre como vai redigir o texto, qual a melhor maneira de apresentar o tema e instigar o leitor, você mesmo comece a pensar sobre suas próprias idéias e as de outras pessoas.

Assim, escrever um trabalho de pesquisa pode ajudar você a pensar claramente sobre suas próprias idéias. É um bom exercício para ajudar você a desenvolver seu próprio estilo de escrita. Quando você se esforça para  escrever com clareza e objetividade se escrever um trabalho de pesquisa, seu próprio pensamento passa a se tornar mais claro, lógico e objetivo.

Habilidades desenvolvidas com a redação acadêmica

A redação acadêmica é uma habilidade fundamental para quem deseja se qualificar e ter sucesso no mercado de trabalho. Para além disso, ela pode ser vista também como uma forma de desenvolver habilidades que podem ser úteis ao seu futuro acadêmico e profissional.

Confira algumas das principais habilidades que a escrita acadêmica ajuda a desenvolver: 

  • Ter ideias originais;
  • Solucionar problemas práticos e teóricos;
  • Sistematizar o pensamento de outros autores;
  • Confrontar a literatura, apresentando sua própria posição;
  • Interpretar as relações entre texto e contexto;
  • Problematizar conceitos, revelando questõoes que o senso comum cotidiano é incapaz de perceber.

Para desenvolver essas habilidades, é preciso estar aberto ao aprendizado desta forma particular de redação. O texto acadêmico não é uma prosa, nem poesia, nem livro de ficção. Cada gênero literário tem suas regras e esse é um fato também para a redação de um texto científico.

Nem sempre essas regras são claras. A maioria das pessoas se preocupa com a ABNT, mas há muitas outras “regras” que somente a experiência nos ensina. 

A ABNT nos ensina como fazer uma citação, qual a margem do documento ou a fonte utilizada (pelamordedeus, COMIC SANS não é fonte pra trabalho acadêmico!). Mas não nos ensina os contextos estratégicos em que devemos fazer uma citação específica. 

Com a experiência, aprendemos a citar para reforçar nosso ponto de vista com base no de ooutros autores, ou para mostrar ao leitor que conhecemos posições contrárias à nossa. É só um exemplo do tipo de habilidade que só podemos aprender nos exercitando academicamente.

Há muitos outras:

  • Ser capaz de interpretar figuras de gráficos científicos;
  • Apresentar dados de maneira fácil de ler, e até de reproduzir;
  • Comunicar claramente com os leitores de seu trabalho, tanto de maneira geral como individual;
  • Escrever concisamente, evitando frases longas;

Para cada uma dessas habilidades, devemos praticá-la até nos sentirmos à vontade para usá-la. A escrita acadêmica é uma das habilidades mais exigentes em nossas vidas, pois requer o desenvolvimento de muitas habilidades e qualidades diferentes que podem ser adquiridas ao longo do tempo e com treinamento.

Se quisermos desenvolver nossas habilidades de escrita, devemos praticar a escrita a partir de um ponto de vista crítico. Isso significa ler criticamente, analisar nossos trabalhos, corrigir nosso trabalho para melhorá-lo, repensá-lo para ver se existem outras formas de dizer algo. Em resumo, temos que nos treinar no uso das ferramentas da escrita acadêmica. 

Organização dos argumentos

Criar um texto academicamente sólido e persuasivo pode ser uma tarefa assustadora, mas com um pouco de organização e planejamento pode ser muito fácil.

Comece traçando um esboço que descreva os principais pontos que você abordará. Em seguida, certifique-se de planejar bem seu argumento – isso o ajudará a criar um texto claro, objetivo e persuasivo. 

Um bom plano fará com que você evite discussões laterais e se concentra apenas os pontos mais importantes. Para planejar seu trabalho de forma eficaz, você deve ser objetivo. Isso significa que você deve iniciar seu processo de planejamento com a suposição de que você ganhará o debate. O argumento deve ser convincente.

Quando você tiver seu plano preparado, você deve começar a escrever. Você não deve começar a escrever imediatamente. Ao invés disso, você deve começar planejando seus argumentos. Você também deve passar algum tempo pensando em como vai argumentar. Sobre o que você vai escrever? O que você vai dizer a fim de convencer seus leitores de suas idéias? Qual a conexão entre um ponto do argumento e o ponto seguinte? Quais os motivos que sustentam seus argumentos?

Escreva com clareza e use uma linguagem eficaz para persuadir seus leitores de seu ponto de vista. Seguindo essas dicas, você estará no caminho certo para criar um texto academicamente sólido e persuasivo que ajudará seu argumento a se destacar dos demais!

Estruture como os argumentos serão apresentados

O argumento apresentado deve ser dividido em seções e parágrafos, com cada seção apoiando as idéias da anterior, e cada parágrafo dando mais exemplos ou esclarecimentos ao assunto.

Isto ajudará o leitor a compreender melhor o argumento e evitará ler longos argumentos que não o ajudam a compreender o assunto.

Também é importante tornar o argumento claro e simples. A argumentação não deve ser excessivamente complexa, mesmo que a temática seja. A ideia pode ser complexa e cheia de detalhes; mas seu argumento deve ser desenvolvido com base em uma cadeia de fundamentos que se conectam uns aos outros.

Uma boa prática é definir claramente qual o argumento central do texto e estabelecer algumas razões que o sustentam. Certifique-se de incluir provas para apoiar suas idéias, como outras pesquisas, estatísticas ou mesmo o argumento de outras autoridades no assuntoo. Mesmo que seu argumento seja claro, o uso de provas pode dar credibilidade ao texto e apoiar seu ponto de vista. 

Após definir o argumento central, faça o mesmo com os argumentos secundários. Como eles se relacionam com o argumento central, conferindo maior suporte a ele? Apresente, também, razões para cada argumento secundário e, quando possível, mencione provas, fundamentoos teóricos e exemplos.

Definição dos termos

Textos acadêmicos devem ser objetivos, claros e concisos, sem ambiguidades. Por isso, você deve ter certeza de que o seu leitor compreende exatamente os termos técnicos utilizados. Ao mencionar terminologia específica com a qual talvez o público da revista ou do livro não esteja acostumado, não se faça de rogado.

Conceitue cada termo, apresente exemplos e mostre, inclusive, se há divergência a respeito da terminologia utilizada. Isso vai mostrar que você domina profundamente o assunto e dar ao leitor premissas para compreender melhor o seu texto.

Indicação do objetivo da pesquisa

Deixe claro ao leitor, desde o início, qual o seu objetivo com o texto. Alguns textos são tão vagos que podemos terminar a leitura sem saber exatamente a sua proposta.

Explique também o método que você usará para discutir o problema de pesquisa

Distinção entre fatos e opiniões

Tenha em mente a distinção entre fatos e opiniões e JAMAIS confunda os dois conceitos. É verdade que, em algumas situações limítrofes, é difícil enxergar a distinção. Mas, na maioria dos casos, é perfeitamente possível diferenciá-los e evitar verdadeiras “gafes” acadêmicas.

Fatos são lastreados em evidências sólidas de sua realidade. Por exemplo, se eu digo que “a Terra é redonda” (tá, Fábio, eu sei que é uma geoide), tenho suporte em todo um volume de evidências científicas, passando pela geologia, física, engenharia aerospacial, entre outras áreas (sem contar com os vídeos de astronautas e fotos de satélite). Mas se alguém diz que “a Terra é plana”, é só a opinião do sujeito porque não está lastreada em qualquer evidência digna do nome.

Na maioria dos casos, opiniões têm um forte caráter valorativo. No direito, é muito fácil confundir opiniões e fatos porque boa parte do material de estudo é normativo, referindo-se a interpretações de textos legais e situações jurídicas. Contudo, existem certos fatos: a Constituição da República do Brasil de 1988, por exemplo, é a norma jurídica que estrutura a forma de organização do Estado brasileiro. Dizer que o STF é antidemocrático é opinião;  uma pesquisa mostrando incongruências entre os julgamentos do STF e premissas basilares do constitucionalismo pode ser baseada em fatos, ainda que sujeitos a análise e controvérsia. 

Textos acadêmicos são importantes para disseminar conhecimento e difundir ideias. Por isso, é essencial que sejam apresentados de forma convincente, objetiva e clara. A pesquisa necessária antes de começar a escrever o texto acadêmico será um benefício na hora de persuadir o leitor a se posicionar em relação às mesmas.

Erros cruciais que você deve evitar na redação acadêmica

A redação acadêmica pode parecer um tarefa difícil, mas, em sua grande maioria, é uma questão de seguir algumas regras básicas. Assim, para que os seus textos sejam leitores agradáveis e persuasivos, é necessário evitar alguns erros cruciais.

Por exemplo, não use frases abertas ou sonsuintes no texto; isso pode atrapalhar a leitura. Além disso, é importante estar familiarizado com a estrutura de um texto acadêmico antes de começar a redação. Leia bastante textos de sua área de pesquisa e, tenho certeza, em pouco tempo você estará acostumado com o estilo e a forma de organização.

Evite, também, os seguintes erros:

Falta de objetividade na redação

Sentenças simplistas e frases vazias, repletas de verborragia valorativa, não devem constar de um texto acadêmico. Isso pode comprometer a credibilidade do texto produzido, tornando-o parcial e político.

Ainda que um texto acadêmico possa veicular ideias mais afinadas a uma posição política, é um erro transformá-lo num panfleto. Frases como “É absurda a posição do STJ sobre a matéria”; “o STF está legislando”; “gera perplexidade a atuação do Ministro XYZ” não devem jamais constar do seu texto. 

Advogados estão acostumados com jargões em suas petições, mas eles não devem aparecer no seu texto. “Data venia”, “faça-se justiça” e outras tantas expressões vazias geram asco a professores. Escreva-os e as chances de ter o texto bem avaliado se esvairão.

Seja claro e direto. Não fique rodeando, falando de infinitas questões sem enfrentar efetivamente o que você se propõe. Não reclame da conjuntura, chame o governo de “neoliberal” ou “comunista” – a não ser que você apresente exatamente o que quer dizer com esses termos, com fundamentação teórica de sua alegação.

É verdade que a redação científica, nas áreas humanas, pode ser considerada como um espaço onde são expressos pontos de vista, ideias e visões políticas. Mas seu texto deve ser objetivo; se você deseja sustentar uma concepção política, apresente fundamentos objetivos que sustentem o ponto de vista e que sejam adequados do ponto de vista lógico.

Citar a esmo autores que concordam com seu ponto de vista, apesar de ser uma prática comum, não é metodologicamente adequado. Pesquisa científica não é campo de futebol e os autores não estão ali para torcer por seu ponto de vista.

Esquecer que existem notas de rodapé

Muitos acadêmicos se esquecem das notas de rodapé e incluem toda a discussão no corpo do texto. Mas isso é um erro!

O texto fica poluído com dezenas de discussões laterais, que são secundárias em relação aos temas discutidos no artigo. 

As notas de rodapé têm um papel fundamental na redação acadêmica. Elas devem ser utilizadas para detalhar o conteúdo, prestando maiores informações sobre o texto. Às vezes, você pode utilizá-las para mostrar que existem outros pontos de vista sobre a questão, mas não vale a pena discuti-los no próprio corpo do texto.

Uma outra estratégia de uso das notas de rodapé é a referência a obras adicionais que tratam dos temas enfrentados. Com isso, você mostra conhecimento sobre o tema e dá maiores informações ao leitor que se interessou por uma discussão que, embora secundária no contexto do seu artigo, pode ser melhor enfrentada em outras obras.

Plágio

É importante seguir as regras de direitos autorais para evitar infringir os direitos de terceiros. Escrever um texto a partir de outras obras, sem citar o autor diretamente, pode ser considerado plágioPlágio acadêmico: o que é e como evitá-lo!.

Se você for pego, poderá enfrentar penalidades administrativas, financeiras e até mesmo ter seu diploma cassado. Lembre-se de que a escrita acadêmica é um espaço público onde a criatividade e os argumentos válidos devem ser exibidos. Reivindicar ideias de outras fontes sem creditá-las adequadamente pode levar a consequências negativas para sua reputação.

Achismos sem fundamentação

O “achismo” é um outro erro importante. Ao invés de fundamentar o texto em uma análise construída a partir de evidências apresentadas, os “achismos”  apresentam uma visão unilateral do tema, sem qualquer evidência ou pesquisa.

Identificar o “achismo” é fácil. Normalmente é construído como opinião no texto, com caráter avaliativo e valorativo sem suporte no texto. Alternativamente, é apresentado como uma frase de caráter factual, mas sem evidência que a corrobore.

Nada mais contrário ao espírito acadêmico de busca pela verdade. 

Períodos longos, parágrafos curtos demais

Um vício comum de acadêmicos na área jurídica (não posso falar de outras áreas) é a redação baseada em períodos longos demais e parágrafos excessivamente curtos.

Às vezes, um único período tem 10 linhas e parágrafos sucessivos têm duas linhas cada. Mas isso é um erro!

Períodos longos demais deixam o texto confuso. Frases sucessivas são reunidas em um único períood, repleto de vírgulas para dar sentido ao texto. Nem sempre há erros gramaticais, mas o tamanho do período torna a leitura do texto bastante árida.

Por outro lado, parágrafos curtos demais também atrapalham o raciocínio. Ao invés de progredir em ideias que se sucedem e se complementam, o texto fica “amarrado” em parágrafos curtos e telegráficos.

Idealmente, cada parágrafo deve conter uma única ideia, com início, meio e fim. O início dele deve remeter ao final do parágrafo anterior e o seu final já deve conter o embrião do próximo. Assim, você assegura que seu texto está coeso e as ideias estão fluindo progressivamente.

Portanto, lembre-se: períodos curtos, parágrafos (um pouco mais) longos.

Faça parte de nossa comunidade Acadêmica!

Cadastre-se e receba dicas e estratégias para seu futuro acadêmico.

Faça parte de nossa comunidade Acadêmica!

Cadastre-se e receba dicas e estratégias para seu futuro acadêmico.

Mais estratégias para seu futuro acadêmico...

Rolar para cima