Como ler um texto acadêmico para sua dissertação de mestrado?

Como ler um texto acadêmico para sua dissertação de mestrado?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Ler um texto acadêmico não é tarefa fácil. O processo de pesquisa e leitura com o objetivo de redigir, mais adiante, uma dissertação de mestrado (ou uma tese de doutorado) exige técnicas especiais.

Afinal, de nada adianta simplesmente ler um texto acadêmico. É preciso lembrar de detalhes específicos e saber  identificar a posição teórica de diversos autores. Mais importante, importa saber se posicionar no espaço onde há dezenas (quando não centenas!) de opiniões diversas. Ainda que esses autores examinem objetos de estudo similares, há diferenças importantes a serem destacadas.

De certa maneira, é preciso reaprender a ler.

Quando somos alfabetizados, aprendemos a ler de maneira linear. Pegamos o texto e o lemos com atenção mediana, sem nos importarmos tanto com outros textos eventualmente correlacionados. Até podemos ter uma opinião ao final da leitura. Contudo, ela pode se perder no fluxo de informações.

A leitura acadêmica e, especialmente, quando voltada à produção de um texto baseado em uma pesquisa de fôlego, exige uma abordagem diferenciada. É preciso prestar atenção aos detalhes teóricos na posição dos autores lidos, identificando as diferenças entre uma obra e outra. Ler um texto acadêmico exige uma técnica especializada.

Torna-se necessário saber não apenas o que distingue uma obra de outra. Mas também é relevante elaborar as premissas teóricas que servirão de base ao seu próprio texto.

1. Tomar notas é fundamental

Para manter o controle de tantas variáveis diferentes, o pesquisador deve utilizar algum sistema de notas. Pode ser um caderninho mesmo, ou algo mais sofisticado como uma plataforma online de anotação. Gosto muito de usar o Evernote, que tem um excelente sistema de tags para arquivar notas diferentes.

Evernote, notas… ou um caderninho

Com o Evernote é possível, por exemplo, criar uma tag “teoria dos sistemas“. Toda vez que você fizer uma nota nova com informações de uma leitura sobre teoria dos sistemas, pode adicionar a tag. Assim, ao clicar na etiqueta criada, você terá acesso a todas as anotações que fez sobre aquele tema. E o número de tags é virtualmente infinito. Um mesmo texto pode ser agrupado em etiquetas como “teoria dos sistemas”, “Luhmann”, “neoliberalismo”, “marxismo”, “evolução social” e “teoria do direito”, por exemplo. Uma nota sobre Hayek poderia compartilhar a tag “neoliberalismo”, de modo que, ao clicar na etiqueta “neoliberalismo”, você poderia ter acesso a ambas as notas.


De minha parte, gosto muito de utilizar o app Notas, do iPhone. Trata-se de um programa bastante útil para registrar ideias e correlações entre um texto e outro. Como sempre tenho o celular por perto, posso tomar minhas notas a qualquer momento. Poderia usar também o Evernote nessas circunstâncias. Mas (para mim) funciona melhor quando anoto meus insights nele e depois os repasso, com mais calma, para o Evernote. Cada pesquisador pode e deve, claro, desenvolver sua própria metodologia.

Não deixe de anotar enquanto lê o texto acadêmico

Outra estratégia interessante é fazer anotações enquanto você lê. Independentemente do ambiente onde se lê um texto, é possível tomar anotações e deixá-las registradas no próprio livro ou artigo. No papel, evidentemente, podemos usar um lápis ou uma caneta. Adoro, por exemplo, anotar as margens dos livros que leio. Isso me permite dialogar com o texto enquanto ele é lido, possibilitando traçar minhas próprias observações e impressões em “tempo real”.

E os mais diversos aplicativos de leitura e gerenciamento de referências bibliográficas também permitem fazer isso. A maioria deles (Endnote, Adobe Acrobat Reader, Papers, Mendeley, Zotero) traz embutida a possibilidade de adicionar notas aos textos. Essa funcionalidade emula o que fazemos ao ler um texto acadêmico. E pra quem tem tablet, boa parte deles permite “desenhar” nos arquivos em PDF, anotando (com as canetas eletrônicas compatíveis com cada equipamento) suas observações como se estivesse em um texto físico.

Na maioria dos casos, é possível até exportar as notas e os sublinhados para outros ambientes, tornando muito mais fácil a tarefa de transcrever citações para sua dissertação ou tese.

As anotações permitem manter o fluxo de pensamento ativo e independente da memória do pesquisador. Confiar exclusivamente no cérebro como fonte de anotação é um equívoco tremendo, já que a quantidade de informações necessária para a pesquisa é absurda. Para manter tudo organizado, muitos pesquisadores utilizam fichamentos nos quais estabelecem as relações entre autores, resumem as obras e escrevem os principais trechos para citação posterior. Não há uma técnica única de fichamento; cada um pode desenvolver seu próprio estilo.

2. Você não precisa ler tudo; mas precisa estar atento aos detalhes

Outro ponto importante a ser destacado é a forma de se ler um texto acadêmico. Esqueça a ideia de que é preciso ler todos os capítulos de todos os livros que passarem por sua mão. 

Uma pesquisa acadêmica é voltada à investigação sobre um tema específico de forma a resolver um conjunto de problemas. Tenha sempre isso em mente ao planejar e executar cada atividade – inclusive a leitura. 

Assim, ao ler um livro, sempre procure ter uma noção do motivo pelo qual você o está lendo. Além disso, tenha em mente o que espera aprender com ele. Pode ser que, de um livro de 400 páginas, você precise ler um ou dois capítulos mais diretamente relacionada à questão investigada.

Skim reading e scanning: Como ler o texto antes de decidir o que ler da obra

Como saber o que você precisa ler? Lendo o livro, oras. Mas existem diversos tipos de leitura. A mais comum, que usamos no dia-a-dia, é efetuada do modo que todos conhecem. Pegamos o livro e o lemos do início ao fim. Mas existem outros tipos de leitura, incluindo uma técnica chamada de skim reading. 

Ao invés de ler o texto de capa a capa, o pesquisador deve primeiro se familiarizar com o texto acadêmico. Estude o sumário, leia a introdução a fim de identificar os objetivos do autor, dê uma passada de olhos nos capítulos para identificar os principais temas. Em cinco, dez minutos, é possível identificar se vale a pena ler o livro inteiro com atenção ou se basta ler alguns poucos capítulos para extrair da obra o que é necessário para a pesquisa.

Além do skimming, você também pode usar o chamado scanning, que é bem parecido. Muitas vezes, tudo o que se precisa de um texto é uma informação bem específica – um trecho, um conceito chave que deve ser citado. Procure no capítulo específico o conceito, cite-o e siga adiante. Evidentemente, nem sempre é possível usar essas técnicas. Mas, com a experiência de pesquisa, elas se tornam essenciais para tornar seu trabalho mais eficiente.

A mesma técnica pode ser utilizada para a leitura de artigos científicos. Em alguns casos, o resumo do texto (abstract) traz a maior parte das informações necessárias para citar o texto, sendo necessário apenas consultar o teor do texto para verificar se de fato seu conteúdo é compatível com o resumo. 

3. Sua dissertação é um quebra-cabeças!

Tudo o que gira em torno de sua dissertação deve se destinar a um único fim: resolver o problema proposto. Nesse sentido, não é exagero dizer que sua dissertação (ou tese) é um enorme quebra-cabeças. Mas é um quebra-cabeças onde as peças surgem aos poucos, à medida em que você lê a literatura, coleta os dados e os analisa. No início, nada faz sentido. Os conceitos são difíceis, não há dados suficientes e tudo parece ser uma tarefa hercúlea.

Com o tempo, as peças vão ficando mais familiares. Aprender como ler um texto acadêmico é, de fato, um processo difícil. Mas, com o tempo, os textos lidos começam a fazer sentido em sua mente e as relações entre os autores, mais evidentes. Aos poucos, você começa a notar as diferentes abordagens entre textos que aparentemente eram muito próximos e a perceber o sentido deles em sua pesquisa. 

Não se cobre mais do que o necessário!

Por essa razão, não se cobre muito no início da pesquisa. Apenas leia e siga o caminho proposto no projeto de pesquisa. Aos poucos, muitas decisões que inicialmente pareciam claras serão revistas – e isso é normal e desejado, já que é sinal do amadurecimento como pesquisador. Livros considerados relevantes se tornam pouco importantes e obras que pareciam obscuras aos poucos se tornarão essenciais ao seu trabalho. Às vezes, a leitura superficial típica de skim reading ou scanning pode ser complementada com uma leitura mais atenta em outro momento, justamente porque a percepção a respeito do valor do texto muda ao longo do tempo.


Tudo isso é perfeitamente normal. Como na montagem de quebra-cabeças, o valor e o lugar de cada peça é revelado aos poucos. E só ao longo da pesquisa e da própria redação do texto é que você poderá desenvolverá a noção exata do papel de cada leitura.

Utilizando essas estratégias, você dará um passo fundamental para aprender a ler um texto acadêmico com o objetivo de estruturar sua dissertação!

Hey,

O que você achou do artigo? Conte nos comentários!

Artigos relacionados